O Sistema Nacional de Saúde (SNS) deve desenvolver um programa de treinamento psicológico destinado aos seus profissionais, para que saibam lidar com o utente de forma afectiva, paciente e empática, sem recorrer a maus tratos e cobranças ilícitas.

O posicionamento foi defendido recentemente pela psicóloga clínica Lia Viegas, numa entrevista concedida ao Observatório Cidadão para Saúde (OCS), em Maputo, depois da publicação da reportagem que denuncia a ocorrência de maus tratos, degradação de lavabos e inexistência de fontes de fornecimento de água no Hospital Geral de Mavalane (HGM).   

“Através de departamentos de recursos humanos, deve-se começar a promover treinamentos e estratégias de sensibilização, para que os trabalhadores aprendam a lidar com os pacientes de forma afectiva e para que sejam pacientes com pessoas enfermas”, afirma a psicóloga, adiantando que os profissionais, ao serem treinados, poderão saber gerir a irritabilidade durante o atendimento aos pacientes.

“Deve haver treinamento comportamental para que os pacientes não mais sejam tratados como prisioneiros nos hospitais”, sublinha.

De acordo com a psicóloga, deve-se transformar o comportamento dos profissionais de saúde para que as unidades sanitárias sejam pontos seguros para todos os indivíduos, independentemente da sua condição financeira.

“Deve-se transformar comportamentos. Não se vai despedir todos os trabalhadores que não saibam lidar com os utentes. A verdade é que os comportamentos de alguns devem ser lapidados para que não mais prejudiquem os pacientes”, defende Viegas.

O programa de treinamento psicológico e comportamental, de acordo com a psicológica, é urgente no actual SNS para que alguns problemas básicos que enfermam o sector sejam ultrapassados.

“Há uma grande queixa nos atendimentos. Seja nos postos de saúde, nos hospitais distritais, provinciais ou centrais… com a transformação de comportamentos, evitar-se-ia a demora no atendimento ao utente, acabar-se-ia com cobranças ilícitas e, acima de tudo, acabar-se-ia com a grande violação de Direitos Humanos e da Dignidade Humana”, argumenta a fonte, acrescentando que “nenhum profissional de saúde devia ter medo de dar as caras pelo trabalho que presta ao sector.”

Um rigoroso treinamento comportamental, segundo Viegas, ajudará os profissionais de saúde a perceber que as frustrações salariais ou problemas pessoais nunca devem interferir no atendimento ao utente.   

“A insuficiência salarial não pode ser motivo para a violação dos direitos do consumidor. Não se pode descarregar frustrações salariais e pessoais nos pacientes”, afirma a psicóloga.

Recorrendo a teorias psicológicas – através de uma linguagem acessível e facilitada – Viegas explica que o paciente, quando maltratado pelos agentes de saúde, recorre à automedicação e, aos poucos, desenvolve uma depressão profunda que lhe pode levar à morte imediata.     

“Do ponto de vista psicológico, os pacientes perdem a paciência, abandonam o hospital; ficam trastornados, o seu estado de espírito torna-se revoltoso, desistem de ir ao hospital e deprimem-se por falta assistência técnica. Depois segue-se a automedicação – prática em que o paciente começa a usar alternativas perigosas, tomando medicamentos desconhecidos, em quantidades nocivas”, explica a psicóloga. 

“Alguns misturam a medicação tradicional e a moderna e depois perdem a vida. Para evitar estes transtornos, devemos ter bons profissionais para que o utente não tenha a sensação de que a sua vida está a ser desleixada”, acrescenta.  

Para a psicóloga, não faz sentido que se negue o celular aos pacientes internados nos hospitais, dado que a comunicação entre estes e seus familiares pode constituir um antídoto contra a enfermidade de que padecem.     

“Neste momento, há uma política de que os internados já não podem levar consigo o celular. Esta proibição não faz sentido porque os agentes querem evitar que sejam gravados em situações de actos ilícitos, a violar os Direitos Humanos”, denuncia Viegas.  

A psicóloga acrescenta ainda que “as reclamações dos utentes precisam de chegar às autoridades do Ministério da Saúde (MISAU) para que o público se sinta respeitado e privilegiado.”

“Os pacientes devem ser ouvidos para que não mais se sintam ameaçados ou agredidos pelos profissionais de saúde”, remata Viegas, sublinhando que o MISAU deve investir imenso na formação comportamental de seus trabalhadores para que a salvação de vidas humanas decorra condignamente.  

1 thought on “No Sistema Nacional de Saúde: “Deve haver treinamento comportamental de profissionais para que os pacientes não mais sejam tratados como prisioneiros nos hospitais””

  1. Quando olho para os problemas de saúde do nosso País, vejo uma árvore que apresenta ramos murchos ou frutos sem qualidade. O que é que o dono da planta deve fazer? Cortar os ramos que estão a murchar, será solução certa e definitiva? ou olhar para tudo a volta da árvore e verificar se o capim não esta alto, se a terra não esta seca, se não tem bichinhos a atacar a raiz etc, etc…. Porque, se o problema que faz murchar os ramos as folhas e os frutos estiver relacionado com o bem estar da raiz da Planta então, é dai de onde o dono da árvore deve começar a agir para salvar todo o resto….. Porque na verdade temos profissionais não só na Saúde mas um pouco por todo lado que parecem pessoas psicologicamente traumatizadas de algum jeito.

    Chego a pensar no Sadismo ate mesmo Mosoquismo porque não há quem causa dor no outro sem também causar dor em si próprio. As pessoas não se importam com o sofrimento dos outros e nem com seu mesmo. Será que essas pessoas são normais ….. Concordo com a necessidade de apoio psicológico por um lado,,,,,

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

× Fale connosco